Ser ou Não Ser…Sou!

0 Flares 0 Flares ×

Quando despedi de um amigo querido, em SP, antes de mudar-me para cá, em meio a nossa conversa ele falou: “Não importa o que aconteça, nunca se esqueça de que você é atriz!”

“Puxa Pedro, ás vezes já não me sinto mesmo mais uma atriz”.

Formei-me atriz em 2009, com aquele sonho de viver de teatro. Ainda que não fosse muito dinheiro, mas pelo menos por um tempo, sonhava com aquela experiência de fazer parte de um grupo, virar madrugadas ensaiando: Shakespeare, Tennessee Williams, Nelson Rodrigues, autores novos, enfim! Apaixonada pela arte teatral, não queria outra vida.

Tive poucas experiências como profissional, tive muitas decepções com a classe artística, frustrações. Cansei de escutar que “seu perfil não ajuda, nova demais, teatral demais, tv de menos e blá blá blá”. Não sei se tentei pouco, se deixei-me levar pela necessidade do dinheiro e até pelas tristezas envolvidas. Mas acabei caindo no meio de Produção e fui me distanciando dos palcos. Passei a ser produtora, espectadora. Complicado dizer se triste ou feliz nesse quesito mas, me conformei em estar perto e rodeada por Arte.

A verdade é que, quando o Pedro fez esse comentário, algo mexeu internamente comigo e guardei no coração.

Há algumas semanas, aqui em Greve in Chianti, onde estou morando, fui até a biblioteca da cidade me cadastrar. Nada melhor do que ter diversos livros a minha disposição, wifi grátis e, o mais importante: sossego.

Bom para estudar, bom para me ocupar.

“Imagina quantos autores da minha adoração devem estar nessas prateleiras, em italiano, para eu desfrutar”, pensei. Sim!

Preenchendo a ficha cadastral, veio a pergunta: Profissão…?

Ops! Já há um tempo eu não titubeava na hora de responder essa questão, mas naquele momento, toda a conversa com o Pedro voltou e parece que vi, em 1 segundo, todo aquele sonho passar na minha frente, todas as experiências e sentimentos. Com os olhos mareados, respondi: Atriz! Certeira, sem dúvida, como eu sempre fui e sempre serei!

Ao entregar a ficha para a responsável, ela comenta: “Attrice?” Com uma empolgação! “Sí!” Respondi, com outra maior ainda! E acabou ali. Foi a primeira vez que não tive que responder perguntas do tipo: ‘Mas eu nunca te vi na TV, você já fez alguma peça famosa, sabe chorar?…’ E senti-me ótima. A empolgação e o silêncio seguintes foram suficientes. Ela acreditou na informação escrita. Eu voltei a acreditar em mim. Eu sou atriz, não importam as andanças e os leques abertos, é o amor por essa arte que me move e me faz ser quem sou!

Viva!

IMG_8863

“Quando vivo não sinto que vivo, quando represento sinto que existo”

“O ator transforma tudo o que é feio em belo.”

 

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Anteriores

Chorar, Por que?

Próximo

Para Onde Queremos Ir

2 Comentários

  1. Manenha :D

    Uau! (clap) (clap) (clap)

    eu bato palmas daqui! 😉

    Bjao!!!

  2. Juliana

    Mandy!!
    que demais ler isso. me identifiquei mto. por anos nunca soube escrever minha profissão nessas malditas fichas!! hahaha
    principalmente quando era atriz! rsrs sei la associava profissao algo que eu tinha que estar ganhando dinheiro com isso sabe. enfim, coisas da minha cabeça.
    mas como eu mudei de profissao por questões da vida, desde entao, coloco com firmeza a minha de hj sem titubear. E isso é mto bom..
    Sinto também mtaaa falta dos palcos.. mas fico feliz de ter continuado na arte ainda..
    beijos amiga!

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén