As Luzes Foram Apagadas Mais Cedo

0 Flares 0 Flares ×

foto 2 (2)

Ela foi até a superfície pegar ar e em segundos mergulhou profundamente prendendo todo aquele ar, como se fosse o ultimo que lhe restasse. Mergulhou para as suas profundezas internas e contou todas suas trocas de pele nesses seus últimos 30 anos. Escutou todas as percepções caindo, pouco a pouco.

Ás vezes não sei mais onde estou. Esqueço do que fiz, do que falei se foi ontem ou se ainda será. Confundo com sonhos da madrugada e perco-me nos dias da semana. O Sol dura pouco demais, isso, quando ele vem. Essa semana fui sacodida como se estivesse em um brinquedo de parque de diversão. Vivi cada minuto sabendo o que seria do próximo, o que eu deveria fazer e quantos dias me restam nessa rotina.

Arrumar. Limpar. Planejar. Pegar metro, mala, outro teto, tudo de novo. Mudar. Tutto bene, nas nossas andanças passamos por isso mesmo, até termos nosso próprio casulo. Mas a sensação de ” caraca eu não tenho lugar”, ás vezes bate forte.

Essa semana eu fui muito pouco à superfície. Fui constantemente puxada para dentro de mim, obrigada a enxergar e a mexer em tudo que se espalhava pelos cantos. O baú estourou e todo aquele enxoval foi pelos ares. De novo não, por favor! Não tenho medo das lágrimas, mas sim da minha própria mente. Ela precisa ser melhor ocupada, porque vocês sabem, mente vazia casa do Diabo. E casa do Diabo meu bem, é fábrica de invenções.

Invenções de sentimentos, de novos monstros, para justificarmos uma nova batalha; Invenções de sonhos e pessoas. Invenções até de lugares e acontecimentos. Alimentamos tanto essa fábrica que ela torna-se real. Acreditamos de uma tal maneira, que torna-se quase que físico. Um turbilhão de sensações. E todas as expectativas em uma oportunidade. Para fazer valer os 30 anos nessa escolha do avesso aos olhos dos “comuns”. Para fazer valer o que chamam de “Oportunidade Única.”

Bullshit! Para fazer valer todo meu esforço, isso sim. Dormir e acordar sozinha, a 10 mil km do colo maternal, tem sido de fato, o maior crescimento. Cozinhar já é etapa vencida. Mesmo com toda tecnologia, não poder atravessar a rua, pegar um ônibus e ir beijar o fuço do seu cachorro, é que é um grande desafio. Sobreviva a isso no final do dia e verá, davvero, o quão forte és.

É lindo sair de casa. É uma delícia ter todo o poder em mãos. A liberdade do espaço, da escolha. É doloroso e recompensador sentar de frente para o espelho e saber que, o que se deseja naquele segundo não terás então, bola pra frente. Mas morar longe…Aí sim eu acredito no tamanho da minha coragem.

Uma vez, eu devia ter uns 11 anos, minha avó segurava um panettone daqueles bacanas, que vem dentro de lata importada. Na minha imaginação, aquele panettone era uma evolução dos de caixa então, comentei: ” Vó, vamos abrir! Meu sonho comer panettone que vem dentro dessas latas!” Ela, mineira e muito sábia: ” Minha neta, é só isso seu sonho? Que sonho pequeno! Sonhe mais alto!”

Poxa vó, imagina se eu tivesse me contentado só com aquele panettone…!

Eu sonhei mais alto. Eu estou no alto. Mas aqui em cima os tormentos também nos alcançam.

Com quase 31 anos o que estou fazendo comigo?

Que etapa é essa da minha vida que eu me coloquei. Sinto-me tão atrasada mas, em relação a quem e a que? E essa droga de prazo que todos colocam em nós- e nós mesmos- cada vez que nos perguntam: “Até quando?” Até quando o que? Não pode ser ‘Por esse momento e amanhã eu revejo?’

“Você ficará aí para sempre?”

Como eu posso saber! O Para sempre é muito tempo e longe…Não! Fábrica de Invenções!

“As coisas acontecem ao seu tempo”

Tempo. Eu espero que ele não desista de mim.

Essa noite ela foi do sorriso às lágrimas. Repetiu seus mantras 80 vezes. Assistiu sua série preferida em Italiano, para recordar. Adormeceu no sofá com a tv ligada e comeu carboidrato no jantar. Não era a única oportunidade do Universo, há de ter algo melhor guardado. Ela sabe disso. Também não imaginava o quanto ficaria chateada. Mas é que aquele “não” mexeu com muita coisa. A obrigou repensar suas escolhas.

Calou-se. Os amigos entenderam. A família entendeu.

Ela só queria sua cama. Seu urso de pelúcia, naquele momento, foi seu conforto de infância. As luzes foram apagadas mais cedo, essa noite. Assim como as cortinas foram fechadas sem esforço. Amanhã é um outro dia…E ele será todo seu.

Boa noite dia.

foto 1 (2)

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

Anteriores

Do Bosque à Terra da Rainha…Tanti Auguri!

Próximo

Acostumada do Prazer à Dor

2 Comentários

  1. Camila

    Mas é claro que o sol vai voltar amanha….! (…)

    Força manenha! Ngm disse que seria fácil, mas quando passar desse momento, as alegrias perpetuarão e nós só desejamos e aceitamos a felicidade.

    conte cmg sempre!

    Bjos

  2. Camila Murta

    Mas é claro que o sol vai voltar amanha….! (…)

    Força manenha! Ngm disse que seria fácil, mas quando passar desse momento, as alegrias perpetuarão e nós só desejamos e aceitamos a felicidade.

    conte cmg sempre!

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén