Tag: freedom

The best choice

“We need to be full in the present.”

It said my childhood’s best friend in her most difficult time of life: the loss of her father. She, more rational and calm than me, did not suspect how her words invaded my chest and woke me up for ‘my moment’. Across the ocean I cried like a child, I apologized for my absence, and I ‘killed’ all my problems there, at that second.

Nothing is as important as being alive. I wanted to take all the money I have left and go out into the world- more than I have already done. I wanted to go back to homeland (Brazil), the place where I know I will always have a space, and hugh her (my friend) infinitely. I wanted to call the man I’m in love with and declare all my feelings, not afraid of what I’d hear back. Smile the song of the birds and mourn for the lack of eternity on earth but be happy and live wisely.

Maybe I’ll do it all. Maybe not. I did. 25 days ago I landed in Brazil, by surprise to family and friends, in a delicious impulse, by the way. Being full in the present, not expecting the future and not holding me in money. Follow the cry of the heart. In fact, this time, follow the human tears.

The best choice of the last few months, I can assure you. I was never so sure of anything, like getting on the last-minute plane. Lock my room, turn my back, not knowing what was about to come. To land at home without planning, simply brought by the cry of  ‘help, I need somebody’.

I healed my homesickness in the arms of old friends, breathed the comfort of my family and found peace in front of the ocean. The tranquility healed my doubts and my eyes could see again. I danced the best memories at my best friend’s wedding and I cried as I listened: “Glad to have you here! Glad you came!”

Glad I came. The best choice is when we respect our feelings and, without fear, we act for our good. Whatever the consequences, knowing that everything is worth it, everything is experience. There is no mistake or guilt. There is learning.

25 days here at home or away. Or maybe it’s the other way around? I did not meet everyone I wanted, but I had what I needed. The freedom to be where I want when I need it. To have a place to take refuge in the hour of sadness, to know where to return. There’s a little bit of me in every corner of this world, and every corner wants to take me. And I follow, because we have to be full in the very present. Tomorrow will always come one way or another.

A melhor escolha

“Nós precisamos ser plenos no presente”.

Disse-me minha melhor amiga de infância em seu momento de vida mais difícil: a perda de seu pai. Ela, tão mais racional e tranquila do que eu, não desconfiava como suas palavras invadiam meu peito e me acordavam pro meu ‘momento’. Do outro lado do oceano eu chorei feito criança, pedi perdão pela minha ausência e matei todos os meus problemas ali, naquele instante.

Nada mais é tão importante quanto estar vivo. Eu tive vontade  de pegar todo o dinheiro que me resta e sair pelo mundo- mais ainda. Tive vontade de voltar para a Pátria, o lugar onde eu sei que sempre terei um espaço, e abraçá-la (minha amiga) infinitamente. Tive vontade de ligar para o homem por quem sou apaixonada e me declarar, sem medo do que escutaria. Sorrir o canto dos pássaros e lamentar a falta de eternidade na Terra porém, ser feliz e viver com sabedoria.

Talvez eu faça tudo isso. Talvez não. Eu fiz. Há 25 dias eu desembarquei no Brasil, de surpresa para a família e amigos, em um impulso delicioso, diga-se de passagem. Ser plena no presente, não esperar o futuro e nem me prender em dinheiro. Seguir o grito do coração. Na verdade, dessa vez, seguir as lágrimas humanas.

A melhor escolha dos últimos meses, posso garantir. Nunca tive tanta certeza de algo, como entrar no avião de última hora. Trancar meu quarto, virar as costas, sem saber o que estaria por vir. Pousar em casa- Pátria- sem planejamento, simplesmente trazida pelo grito de ‘socorro, eu quero colo’.

Curei minhas saudades nos braços dos amigos antigos, respirei o conforto da minha família e encontrei a paz de frente pro oceano. A tranquilidade curou minhas dúvidas e meus olhos voltaram a enxergar. Dancei as melhores lembranças no casamento do melhor amigo e chorei ao escutar: ” feliz por ter você aqui! Que bom que você veio.”

Que bom que eu vim. A melhor escolha é quando respeitamos nossos sentimentos e, sem medo, agimos a favor do nosso bem. Seja quais forem as consequências, saber que tudo vale, tudo é experiência. Não existe erro ou culpa. Existe aprendizado.

25 dias aqui em casa ou fora dela. Ou talvez seja o contrário. Eu não encontrei todas as pessoas que eu gostaria, mas tive o que eu precisava. A liberdade de estar onde eu quero quando eu precisar. Ter um lugar para se refugiar na hora da tristeza, saber pra onde voltar. Tem um pouco de mim em cada canto desse mundo, e cada canto quer me levar. E eu sigo, porque nós temos é que ser plenos no presente mesmo. O amanhã sempre virá de um jeito ou de outro.

 

Ao Mar

Há um ano eu sentava de frente para você sem voz para descrever o que sentia. Suas ondas leram meu silêncio. Coloquei meus pés para você beijar, pedi sua benção e licença para te atravessar.

Chorei, pois eu sabia a saudades que eu sentiria. Mas eu precisava seguir. Atravessei e fui morar em uma das paisagens mais lindas e coloridas- Firenze. Pouco depois, caí em meio a prédios e buzinas- Londres.

Entre o frio e as flores, nunca desejei tanto alguém, como desejei você. Contei os dias para o Sol e para o verão. Para as férias e o dia em que eu meu libertaria para ir ao seu encontro. Se eu precisaria pedir demissão ou ficar sem dinheiro, já não importava. Sair dali era o que eu precisava.

Então nos vimos. Sorrimos. Meus pés de encontro aos seus lábios, mais uma vez. Sentir você como antes. Há 2o dias nos reencontramos. O mesmo oceano. O mesmo Atlântico. Uma nova mulher e, dessa vez, do lado de cá. Oito mil kilometros, o que será que tens para me contar nessas ondas mais geladas e europeias.

Eu sei. Eu sei tudo o que eu desejo e peço à você. Tudo o que eu não quero e jogo para dentro de você. Para suas profundezas todas as lágrimas que machucam e tristezas. Para mim, seu sal que descarrega e lava. Suas boas energias. Meu Deus! Como eu precisava!

Pode parecer piegas e até ridículo, mas quando encontra-se no frio e no escuro por meses, o encontro com o mar- que para mim representa vida- torna-se essencial como o ar que se respira.

Vida. É isso. Precisava sentir que estou. Viva.

Obrigada. Por ter permitido que eu travessasse todos esses kilômetros, obrigada. Por ter aberto os caminhos para mim. Por me fazer vibrar. Era só o que eu precisava para renascer. Sol e Mar.

Aqui despeço-me mais uma vez. As mesmas lágrimas e os mesmos desejos. A saudades mas, a renovação. Nos veremos em breve, no próximo verão. Daquele lado de lá, onde tudo começou.

Á Portugal, pelos dias lindos, todo o meu amor. E ao Mar meu respeito e meu coração.

A sua benção e nada é em vão.

One Love: Portugal

Some people do not understand my love for Portugal. Whenever I comment about it, I hear it’s more of a third world country, the “bad” part of Europe where there is nothing.

Recently I heard: “Lisbon seems to Sé Square in SP.” In critical tone. Well, but it is clear the downtown of SP has plenty of Lisbon after all, they-the portugueses- colonized our country. In fact, the similarities go beyond the Sé Square. We see a lot of Portugal every bit of our Brazil.

But the truth is that Lisbon is much more than similarities with our country and Portugal is much more than Lisbon. From Porto to Algarve you eat very well, you love intensely and you have one of the most beautiful sights in the world.

I woukd like to write something more intense and profound about Portugal that I love so much abd do not get tired of visiting. But every time I think of this place, I think the words of Fernando Pessoa in his poem ‘Sea Portuguese’ (Mar Portugues). Nothing defines better this land than the expressions of Pessoa.

So, to not fill this text with cheap words, I ask permission of Pessoa and make his feelings as mine. Everything is worthwhile if the soul is not small!

Yes! And every day that passes I am more sure about this wherever you are. There is always something good and positive in every corner and every day, even in those when you think, ‘I should not have woke up today … “

Yes, you should! The universe need us! Make it all worth it feeds the soul and makes it bigger.

Thank you Lord for this small and friendly piece of land that one day, colonized one of the largest territorie. And despite all problems and defects, left us in good culture, good food and it allowed us to be someone.

Thank you for Portugal that make me feel home.

Life get more fun when we move

“Have you ever noticed that everything you want you always get it?”
So did say my therapist before I leave to Italy. It would be too much to agree with these words, but they are true. Not because ‘its me’ But because we all can get whatever we want.
When we believe The Universe show us the way and The signs. Whether at the “same hours” or The unexpected messages.
Everyone knows What kind of choice and pain has to deal with it. On this journey I was called spoiled, depressive and even child. Judging is easy, But sending me money or clean The floor for me no one did. I Know me and The tears in my friends eyes, as well as Their Lovely words, proved even more Who am I.
As I discovered myself, I realised that the one Who seems to Know you very well, do not Know that much; And that one you just met is The one who reached out his hand.
In those 11 months I regret not having stayed longer in Italy and also not coming back to my friend’s wedding. But I wouldn’t changed this experience in London for nothing. The City that has matured me in pain and love. Yes, London showed me a new love and therefore, ‘she’ will have me as longer as ‘she’ need.
Our differences of colors and tastes tortures us, I Know. But we Love each other and I will come back. Is just that, for this moment, I want Something that you Dont have: Sun.
Then, Im going to Love in Portuguese and Spanish for a while. Because I need, because I want to, because I Love and because life become more fun when we move.
Untill The next chapter.

A vida fica mais divertida quando nos movemos

“Você já reparou que tudo o que você quer você consegue?”
Assim falou minha terapeuta antes de eu embarcar para a Itália. Seria muita ousadia minha acreditar nessas palavras mas, elas são verdadeiras. E não porque sou eu, mas porque todos somos capazes de conseguir o que queremos.
Quando acreditamos o Universo nos mostra o caminho e os sinais. Seja nas horas iguais ou mensagens inesperadas.
Cada um sabe o que vive e a dor que desgasta. Nessa minha jornada fui chamada de mimada, depressiva e até de criança. Julgar é fácil, me mandar dinheiro e vir limpar o chão pra mim ninguém fez. Mas eu sei de mim e, os olhos mareados e palavras carinhosas dos amigos provaram a pessoa que de fato sou.
Enquanto eu me descobria percebi que, quem parecia me conhecer muito na verdade, não conhece tanto assim; e quem eu havia acabado de conhecer, foi quem me estendeu a mão.
Nesses 11 meses longe eu me arrependo de não ter ficado mais tempo na Itália e de não ter voltado para o casamento da minha amiga. Mas não troco esse período em Londres por nada. A cidade que me amadureceu no grito, na porrada e no amor. Sim, Londres permitiu-me amar e, por isso, ela me terá enquanto precisar de mim.
Nossas diferenças de cores e gostos nos torturam, eu sei. Mas nos amamos e eu voltarei. É que nesse momento eu busco algo que você não pode me dar: O Sol.
Vou ali amar em português e espanhol, então, por um tempo. Porque eu preciso, porque eu quero, porque eu amo e porque a vida fica mais divertida quando nos movemos.
Até o próximo capítulo.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén